Final del Juego

ISBN: 9871106572
ISBN 13: 9789871106578
By: Julio Cortázar

Check Price Now

Genres

Argentina Argentinos Cuentos Currently Reading Favorites Fiction Magical Realism Short Stories Spanish To Read

About this book

Final del juego es una de las colecciones de cuentos más importantes de la segunda mitad del siglo XX. Empeñado en transgredir las leyes de la narrativa convencional, en estos dieciocho relatos Julio Cortázar combina la intertextualidad, un uso inédito de lo coloquial y el juego interminable para hacer entrar al lector en un particularísimo universo donde nada es lo que parece. No se trata de simple literatura: a lo que nos invita el autor argentino es a sospechar de la seriedad y el racionalismo crédulo de nuestro mundo. «Continuidad de los parques», «Los venenos», «Axolotl» o «La noche boca arriba» son algunos de los míticos relatos que componen este imprescindible volumen.

Reader's Thoughts

Nathalia Paolini

Un libro que pario un escenario. Mi primera aproximación a la adaptación, a la escritura teatral. Comenzó un juego que no termina....

Shadazz

Para mi leer cuentos es más dificil que leer novelas. Es más fácil que abandone la lectura. A menos que se trate de Borges.Mi cuento favorito fue "Las ménades" porque cortazar crea un personaje un poco snob y por la referencia a Ovidio. La portada es un caracol. "Axolotl" y "continuidad de los parques" comparten una estructura que asemeja a este caracol. a narración sería esta espiral o tunel del caracol y al final del cuento llega a un punto que comparte un elemento con el principio. En una especie de ciclo. Al final, no se está exactamente en el mismo lugar que al principio. Es una nueva situación, que es casi la del inicio.

Editorial Alfaguara

En su inagotable variedad, los dieciocho relatos que integran Final del juego abarcan todos los registros. Desde la perfecci�n de "Continuidad de los parques" hasta el magn�fico retrato de infancia que es "Final del juego", este libro ofrece todos los matices de la imaginaci�n y la sensibilidad de Cort�zar. "No se culpe a nadie", "Los venenos", "La puerta condenada", "Torito", "Axolotl", "El m�vil". Cada lector encontrar� aqu� un relato a la medida de sus propios sue�os.

Ignacio

Como casi siempre, el genial Cortázar me sorprende y, como a veces, me entusiasma. Cortázar brilla más, a mi juicio, en sus cuentos que en sus novelas. Mientras éstas pueden acabar haciéndose pesadas, en la economía de los cuentos brilla un escritor misterioso, variado, de mil voces y personalidades. La literatura se transforma y adapta a temas tan distintos como el despojamiento exageradamente exagerado de un pullover o un relato infantil de amor y fumigación de hormigas. Cortázar parece aquí un genio superdotado, pleno de exageraciones (un concierto que acaba en esquizofrenia colectiva), de misterios borgianos (la continuidad de los parques), de vanguardismos (el río) y de momentos bellos y entrañables, de sutil psicología y magia (final del juego).

Brennan Wieland

End of the Game:In "End of the Game", three sisters; Letitia, Holanda, and the narrator(unnamed) make themselves busy finding ways to shirk their duties at home. Most of the time they would head over to an area located near some train tracks and play a game of "statues". In this game a sister would create a pose and a theme with which she had to hold until the train had completely passed them. One day a note was thrown out of a train from a boy named Ariel, complementing Letitia in particular. From then on, they would receive simple notes from him, until finally he asked to meet Letitia in person. The following day, Letitia did not join in on the game but instead stayed home. She gave a note to her sisters and told them to give it to the boy. The boy arrived and they gave the note to him, and from then on they discontinued the game and never heard from the boy again. The note is never explained. Letitia had a physical deformity, and seems to have been unable to face that fact, or refused to. She avoided meeting the boy instead of facing her fear of rejection. As this is a short story, much is left for interpretation, there is probably a lot more too this than I can see.

Bookaholic

Sunt multe cărți pe care le iei și parcă te vezi deja citindu-le, așa că atunci când mai dai peste ele în raft te gândești de două ori dacă le-ai citit sau nu. De câte ori auzeam vreo comparație cu Cortázar, avem senzația că știu despre ce e vorba, dar nu știam. Am găsit în spatele rândurilor la vedere o ediție Meridiane, din 69, a colecției de povestiri Sfârșitul jocului. Țin minte că am cumpărat-o de la un anticariat acum aproape 10 ani – și am citit-o acum.Citindu-l pe Cortázar am avut exact senzația descrisă de el în Obsesia: nu pot traduce electrifying în română, dar pot reproduce descriptiv acel fior care te scoate din timpul ceasului, care zgândără pojghița „normală” a realității pe care o întreținem cumpătat, și care elasticizează tot: un elastic ca un fir electric care te pișcă la atingere. Și care îți lasă furnicătura acută și când îl lași deoparte. (cronică: http://bookaholic.ro/sfarsitul-joculu...)

Muhammad Osama

سعيد جدا لتعرفي علي كاتب عظيم في مهارة كورتاثارمجموعة من القصص القصيرة اكثر من رائعةالكتابة عند خوليو ليست سردا كما عودنا الكثيرون, بل هي في اغلب الأحيان لعبة و استنفار عقلي للقاريء, حتي انني كثيرا ما بحثت عن تعليقات علي بعض القصص علي الإنترنت لكي اتيقن من تأويلي.مجموعة من القصص فيها الممتع و المشوق و الحداثي و الإنساني العذب :)Julio Cortázar <3

Marie

After a bunch of books I didn't really enjoy that much, this is finally one of the books I can say I really enjoyed. And I can say it without hesitating at all. Without a doubt, Cortázar is one of the best argentine writers, and ever since I read Hopscotch this statement really won me over. My first contact with him was thanks to a tale from it, "Continuidad de los parques" (Continuity of the Parks) in which a reader has quite an unusual experience from the point of narrative, but as soon as we get through it, we manage to see it's a perfect description of what happens when a book really gets our attention and we get inside the story. I don't think it'd be fair to spoil any major detail when it comes to Cortázar. The tales are, as always surrounded by this apparently simple and daily language that breaks as soon as we try to interpret what it's being said.I knew some of the works exposed here, as I previously mentioned. Despite being one of his earliest works when it comes to prose, it still has that charm that made his style so particuarly attractive, not only for argentine people but for the circle of people that like his literature all around the world. This has some real moments of brilliance. Even though some tales didn't caught my attention at first reading and maybe they will do it later, I can tell this is one of my favorite books. If I needed any other proof of Cortázar's talent - though in my opinion, if you like Hopscotch you like anything by him, it's that simple- this is it.The best tales shown here in my opinion are: Continuidad de los parques (Continuity of the parks), No se culpe a nadie (No one must be blamed), El río (The River), Las ménades (The maenads), Una flor amarilla (A yellow flower), Los amigos (The friends), Relato con fondo de agua (Tale with a water bottom), Axolotl, La noche boca arriba (The faced up night) and Final del juego (End of the game).The topics of the stories are versatile though many of them seem focused on man-woman relationships and childhood, contemplation of nature / animals...life and death, daily routine.... events that seem normal but that with a great delivery of story telling turn into something interesting and worth reading (even if it's a tale about a man attempting to try on a sweater, and I'm being absolutely serious).

Artemisa Bravo Rueda

Libro de cuentos o de pequeñas historias (18 en total). Todos los cuentos están relatados desde una perspectiva muy íntima de los personajes y siempre con un gran regusto siniestro.

Bruno Alves da Silva

(Acessível em http://adlectorem.wordpress.com/2014/...)Apesar de ter publicado um clássico como O jogo da amarelinha, o qual ainda estou para ler, Julio Cortázar é bem mais conhecido por sua proficiência como contista. Tendo escrito tanto contos quanto sobre contos (lembro-me de ter lido algo a respeito em Valise de cronópio), pude ver nesse primeiro contato com a prosa do autor que ele sabe a que veio. Um livro já há tempos esgotado no Brasil, Final do jogo, relançado neste mês pela Civilização Brasileira, é um livro e um joguete: divididos em três níveis temos dezoito contos do autor, ordenados mais ou menos por dificuldade.“Cada nível é medido pelo esforço de compreensão que se deve fazer para crer em cada um dos contos do autor”, explica a orelha. Assim, começamos pelo ‘fácil’ “Continuidade dos parques”, de apenas três páginas mas que já dá o tom da obra e da coleção de Cortázar, com uma proposta simples, uma linguagem nem tanto mas nada muito complicada, e um desfecho que me deixou, ao final, com um belo sorriso. Fui surpreendido.Sinto que estou tomando um gosto pela leitura de contos, pouco a pouco, desde que os experimentei a sério com Dublinenses. Assim como no livro de Joyce, temos as histórias melhores, as não tão boas, as indiferentes; mas o nível se mantém bom durante toda a coleção, apresentando uma coesão que me manteve na expectativa de ler o próximo e me surpreender positivamente.É natural que tenhamos nossas preferências durante a leitura de múltiplas histórias curtas como contos, e que uns acabem nos conquistando mais. Na minha última resenha, Geração subzero, isso ficou bem evidente: uns que adorei, outros que desgostei. Não tem problema nenhum que algumas falhem em nos engajar, desde que se mantenha um nível aceitável, uma coesão interna de estilo, trato, nível de história, quiçá gênero. Claramente é mais fácil fazê-lo de maneira convincente em uma coletânea de um autor único, ainda mais quando a seleção e ordem são feitas pelo próprio escritor: quando há um pensamento por trás da obra final.Seu resultado é visível em Final do jogo. Cortázar, em seus dezoito contos, apresenta-nos histórias que podem ou não nos envolver, com destaques surpreendentes. Vemos o pensamento, a forma estruturada de se desenvolver um conto que o próprio autor aborda em alguns textos de não ficção. Não esconde acreditar que o que se busca na construção de um bom conto é um efeito no leitor, que deve ser construído sem desperdiçar uma palavra. Se o texto não começa a montar seu palco para a entrega desse efeito a partir da primeira frase, para Cortázar, já falha. Ao mesmo tempo, são todos curtos o bastante para serem lidos em uma assentada. Com extensões variando entre três e vinte páginas, é de bom gosto que se leia o conto todo de apenas uma tacada, para que este efeito buscado já seja desenvolvido e entregue sem perder o “fio da meada”, o que com certeza colabora para a melhor experiência de leitura.Não cheguei a desgostar ativamente de nenhum conto. No máximo, alguns me passaram com indiferença, com um sentimento de que eu não chegava a me envolver ou sentir um “efeito” desejado. Entretanto, a maioria me atraiu, talvez com sua herança latinoamericana do “mágico” na literatura, que temos em grandes nomes como Gabo mas que não necessariamente seguem o mesmo estilo aqui no escritor argentino. Contos em que o assombroso aparece, mas se mantém na tênue linha entre o natural e o sobrenatural, como já definia o “fantástico” de Todorov, a ambiguidade do inexplicável.A despeito disso, esperava um pouco mais do “lado B”, do aspecto lúdico da proposta da obra. Os níveis são definidos, e há um pensamento por trás deles, mas senti que alguns de seus contos seriam intercambiáveis entre o fácil, o médio e o difícil, não apresentando necessariamente a dificuldade que deles eu esperava. Como, por exemplo, o conto “As Mênades”, sobre uma sessão de orquestra que sai um pouco do controle em seu êxtase de admiração e animação, ainda inserido no nível fácil quando já poderia se encaixar no médio.Meus destaques, na coletânea, ficam para o primeiro “Continuidade dos parques”, sobre um homem que termina de ler seu romance; “Ninguém seja culpado”, uma situação aparentemente banal que se desenvolve para algo surreal; “O ídolo das Cíclades”, que até mesmo me lembrou um horror mais clássico como Lovecraft ou Chambers; “Axolotle”, sobre os animais mais esquisitos desse planeta; “A noite de barriga para cima”, em que o onírico e o real parecem se mesclar de maneira intercambiável; e o próprio “Final do jogo”, que encerra a coletânea e é a história de meninas, liberdade e crescimento.Final do jogo me deu vontade de correr atrás agora da demais obra em contos de Cortázar, e serviu no geral para me incentivar a continuar desbravando esse gênero literário. É gratificante terminar uma leitura em uma assentada e, quando o conto é bem escrito, pode nos deixar com um belo sorriso no rosto; ou, ao contrário, perturbado, olhando para o vazio. Mas, daí, também este é o “efeito” que o autor pode buscar, e no qual, com certeza, Cortázar deve pensar bastante.

Daniela Medina

Siento por este libro un cariño muy especial. Apenas releo algún fragmento de cualquiera de sus relatos, me remito invariablemente a mis días de Secundaria. Todavía resuena en mis oídos la voz armónica y pausada de mi profesora de Literatura al leernos 'La noche boca arriba' por primera vez. En este caso, me es imposible separar al libro en sus aspectos 'técnicos' de la sensación de nostalgia y añoranza que me provoca volver a encontrarme con sus relatos después de tanto tiempo. En mi ranking cortazariano personal, 'Final del juego' está casi a la altura de 'Rayuela': aunque en esencia y estructura son muy diferentes (uno es un compilado de cuentos cortos, la otra es la novela latinoamericana más importante del siglo XX), ambas me provocan una idéntica sensación de frescura y melancolía en cada relectura. Quiero tanto a Julio ...

Julcasar

Estos cuentos me abrieron la puerta a la literatura de dobles realidades. Cuando creo estar perdiendo mi capacidad de asombro, los releo.

Feamelwen

It was a mixed bag for me (as every book composed of short stories should be).Some where great and got the right feeling and tone in two pages, others were mysterious and left me frustrated (but in a good way), and others were either too clever or just too plain, and I didn't get any feeling reading them. And short stories are all about a feeling, aren't they? It's about conveying a feeling, one vivid scene, one state of mind, one atmosphere in a few pages. So I conclude that the ones that left me feeling nothing didn't do their job well enough, or simply didn't touch me at all for various reasons.All in all, this reminded me what I love about short stories and what I don't.Still, I'd recommend it.

Noé Ajo caamaño

Un delicioso libro de cuentos, o mejor, de juegos. En el cuento, antes que sobre el personaje, tratamos acerca de juegos de posibilidades, mundos posibles fantásticos y no tan fantásticos. Y eso es lo que aquí se logra de forma magistral. Por eso no encontramos en este libro ese tipo de sorpresa propio de la mala novela de misterio, esa novedad ambigua, tediosa por su pesada cotidianeidad. Lo que aquí encontramos es una novedad verdadera, fruto de la creatividad del genio, que logra tender en frente nuestro un multiverso insospechado. ¿No lo has leído? ¿Y a qué esperas??

Elaguadelaespada

Antes de ser comunista,Julio Cortázar fue escritor. De esos años de una precocidad madurada, de intimismo explícito y de las dogmáticas reglas propias, está "Final del Juego". Me arriesgo a decir que este es (quizás) su mejor libro. En "Final del juego" está Poe y está Joyce. Sobre todo, está Cortázar. De todos los relatos, más de los que puedo recordar merecen elogios. El primero "Continuidad de los parques", es un nuevo dogma sobre la memoria o lo que los indios consideran afirmación tautológica de una vida infinita: el deja vú. También es el deja vú literario. Otro, "Las ménades", es una sabia parábola sobre el fanatismo; fanatismo que a veces el creador se ocupa de profesar para acabar muerto (como Dios acaba para los nihilistas). Uno nuevo, "Los amigos", es, siempre, un retorno a los relatos de ecuación que Kafka supo ejercer con gente matada en el acto de medir el tiempo. Dos, son la tierna visión de los envejecidos mentales. Axolotl se cuelga (como las babas del diablo) de la posibilidad de un lenguaje universal y continente o de la imposibilidad del lenguaje. Un último, "Final del juego", suele ser visto como la metáfora del fin de la infancia. Un hermeneuta arriesgado, verá en él todo final, como toda fiesta patria o toda fiesta de fin de año. Unos pocos entendidos comprenderán las reglas de un juego infinito y de los permisos que se le dan a los que menos pueden. Otros eludibles, entenderán una fábula mínima de las reclusiones o de los campos.Cortázar supo desligarse de la pesada carga de ser argentino.

Share your thoughts

Your email address will not be published. Required fields are marked *